Baleias e golfinhos representados em selos postais brasileiros

Por Liliane Lodi *

* Grupo de Pesquisa em Áreas Marinhas Protegidas, Depto. de Biologia Marinha / Universidade Federal Fluminense, E-mail: lilodi@uninet.com.br

Animais são freqüentemente retratados em selos postais, pois atraem o interesse público. Não importa o país, a simples menção às palavras baleias e golfinhos, ou a visualização de seu símbolo, remete imediatamente a idéia de bem-estar. A retratação de cetáceos em selos postais proporciona um novo meio, tanto de promover a conservação quanto estimular o interesse pela vida marinha em geral.

Os cetáceos sempre despertaram o interesse e a imaginação das pessoas e estão presentes em folclores e lendas de várias culturas. Por centenas de anos eles têm sido alinhados com deuses e mitos, além de celebrados em obras de artes. Muitas culturas, tanto ancestrais quanto recentes, reverenciam as baleias e os golfinhos acreditando que eles sejam mensageiros dos deuses.

Infelizmente, o mito em torno das baleias não foi suficiente para frear o instinto caçador e dominador do homem. Durante grande parte da história, as baleias foram encaradas como mais um recurso natural inesgotável, fonte de produtos valiosos para o conforto e progresso da humanidade. Estampas postais oferecem uma nova maneira de promover a conservação dos cetáceos (e seu ambiente) estimulando a conscientização sobre esses animais, elevando, dessa forma, sua beleza, graça, biologia e diversidade.

De acordo com o artigo dos pesquisadores norte-americanos Dagmar Fertl & Stephen Pomes, publicado em 2005 no jornal Topical Time (vol. 56, nº1, págs. 23-26) da American Topical Association, os Estados Unidos foi o primeiro país que lançou um selo com uma pintura de um cetáceo – um golfinho estilizado representando a rápida navegação oceânica em maio de 1901. Desde então, a presença de cetáceos em selos cresceu particularmente a partir da década de 1980, sendo evidente a popularidade da emissão de selos contendo imagens de baleias e golfinhos. Na extensa compilação realizada por Fertl & Pomes, existiam até 2005, 1.478 imagens de cetáceos (alguns selos possuem múltiplas imagens na mesma ilustração) em selos de 173 países. Neste levantamento Granada possuía o maior número de imagens (81) seguido por Gâmbia (53). Muitas dessas imagens refletem um incremento tanto do interesse pelos cetáceos quanto pela vida marinha em geral. Mais de 60 espécies de cetáceos encontram-se representadas em selos, sendo a baleia-jubarte (Megaptera novaeangliae) a espécie mais popular retratada até 2005 em 164 selos.

Com o interesse de avaliar o status da retratação de cetáceos em selos postais brasileiros, uma detalhada lista foi compilada através de pesquisas em catálogos dos Correios®, coleções particulares e da Federação Brasileira de Filatelia. Entre outubro de 1935 e agosto de 2003, os Correios® lançaram 15 selos postais contendo imagens de baleias e golfinhos. Algumas estampas apresentam os cetáceos como objeto principal (11) enquanto que outras os mostram como parte da composição da imagem (4). Os temas abordados incluem aspectos da caça das baleias, espécies ameaçadas, programas de pesquisa científica, ecoturismo, comemorações nacionais e internacionais referentes a temas ambientais.

Em 19 de outubro de 1935, foi lançado no Brasil o primeiro selo com a figura simbólica de um golfinho em estilo clássico compondo a ilustração da insígnia do então Distrito Federal em comemoração a VIII Feira Internacional de Amostras realizada no Rio de Janeiro. Em 13 de novembro de 1936, o mesmo símbolo foi reportado em selo da IX edição da mesma feira.

Em nove selos as espécies puderam ser determinadas sendo estas: baleia-azul (Balaenoptera musculus) (1), baleia-jubarte (2), baleia-franca-austral (Eubalaena australis) (3) e golfinho-rotador (Stenella longirostris) (3). A partir de 1992 verifica-se um aumento da presença de baleias e golfinhos em estampas postais (66,7%) coincidindo com o aperfeiçoamento da política brasileira de conservação dos cetáceos, a qual foi possível, principalmente, através da geração de conhecimentos advindos das pesquisas – as quais tiveram um papel decisivo na criação de algumas legislações específicas – e do crescimento do interesse público.

A baleia-azul (Fig. 1), o maior animal vivo sobre a superfície da Terra, podendo medir até 33m de comprimento e pesar 190 toneladas, encontra-se representada no selo emitido em 3 de junho de 1977 na emissão Defesa do Meio Ambiente: Fauna.

Figura 1 – A baleia-azul (Balaenoptera musculus) foi severamente caçada pelos baleeiros, especialmente no Hemisfério Sul, onde durante a primeira metade do século XX cerca de 360.000 exemplares foram mortos apenas na Antártica.

Devido ao seu grande tamanho e consequentemente valor comercial, a baleia-azul foi implacavelmente caçada desde o início do século XVIII. O auge da caça da baleia-azul coincidiu com o advento do arpão-explosivo, barcos mais possantes e a construção de navios fábrica, os quais podiam processar as carcaças ainda no mar. Podemos considerar esse selo como o primeiro de relevância para os cetáceos do Brasil.

Em 1979 foi lançado um selo reproduzindo um quadro pintado por Leandro Joaquim que retrata a caça de baleias no interior da Baía de Guanabara (Fig. 2), o qual fornece indícios históricos de que as baleias eram comuns no interior dessa baía.

Figura 2 – Pintura do século XVIII exposta no Museu Histório Nacional, Rio de Janeiro. As baleias tornaram-se, por uma boa razão, importantes ícones do movimento conservacionista.

O golfinho-rotador é uma das espécies mais populares em selos brasileiros. Eles foram representados no selo “Fauna de Fernando de Noronha”, lançado em 25 de fevereiro de 1992 durante a Conferência Ecológica Mundial Rio’92 (Fig.3). As Nações Unidas declararam 1998 o Ano Internacional dos Oceanos, em reconhecimento da importância dos oceanos, do meio ambiente marinho e de seus recursos para a vida na Terra e para o desenvolvimento sustentável.

Figura 3 – O Arquipélago de Fernando de Noronha é mundialmente famoso por abrigar uma população residente de golfinhos-rotadores, uma das principais atrações turísticas do arquipélago.

Em 22 de maio de 1998, o ambiente marinho pode ser visto em um magnífico cenário representado por uma folha de 24 selos, onde se destacam os golfinhos-rotadores e uma baleia-jubarte com seu filhote, que ilustram um total de três selos contendo a imagem de cetáceos, consolidando dessa forma esforços no sentido de preservar o rico patrimônio de nossos oceanos para as gerações futuras. De forte apelo temático merece realce o selo emitido em 10 de agosto de 2003, referente à emissão comemorativa de aniversário dos 500 anos de Fernando de Noronha, um selo holográfico com a imagem de golfinhos-rotadores saltando (Fig. 4).

Figura 4 – “Golfinhos do Brasil” foi eleito pelo público brasileiro por voto o melhor selo de 2003 em holografia.

A segunda espécie mais popular, a baleia-franca-austral, foi primeiramente representada em um selo emitido em 5 de junho de 1987 pela série Preservação da Fauna Brasileira. No selo “Praias Brasileiras” de 13 de junho de 2001, figuram duas baleias-francas-austrais na Praia do Rosa, Santa Catarina. Em 9 de abril de 2002 a espécie volta a ser retratada no selo “Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca” (Fig.5), implementada pelo Decreto Federal S/Nº, de 14 de setembro de 2000. Em Santa Catarina a espécie desponta hoje como uma alternativa de turismo ecológico e um referencial histórico e cultural.

Figura 5 – A Área de Proteção Ambiental da Baleia-franca abrange 156.100 hectares de águas costeiras e espaços terrestres contíguos ao longo de cerca de 130km da costa de Santa Catarina, do sul da Ilha de Florianópolis ao Balneário do Rincão.

Um golfinho estilizado ilustra o selo da emissão comemorativa dos “Programas de Avaliação dos Recursos Vivos na Zona Econômica Exclusiva (REVIZEE) e Pró-Arquipélago” (5 de março de 1999) enquanto a cauda de uma baleia compõem parte da ilustração da edição comemorativa do “Programa Nacional de Gerenciamento Costeiro” (GERCO) (16 de maio de 2000).

A emissão em 13 de dezembro de 2001 do selo “Marinha Mercante de Ontem e de Hoje” (Fig. 6) é representada pelo navio Copacabana e a concepção temática visual de uma baleia tratando-se de uma analogia da atividade do navio e o aspecto migratório dos misticetos.

Figura 6 – O selo “Navio Copacabana” trata-se de uma alusão ao seu passado de serviços prestados. Visualiza-se à esquerda uma baleia da Família Balaenoperidae que recorda o aspecto migratório desses animais. As baleias alimentam-se em águas circumpolares e no inverno e primavera migram para águas mais quentes com o propósito de reprodução e cria de filhotes.

Tomando os espaços imediatamente contíguos à costa, temos metade da população nacional habitando a menos de 200km da orla marítima, impactando diretamente os ambientes litorâneos. O ambiente marinho e seus habitantes chamam a atenção do público da filatelia. O interesse pelos cetáceos continua a crescer e a emissão de selos postais com imagens desses animais promovem a conscientização sobre a necessidade de conservá-los, além de estimular o interesse pela zona costeira e a fauna marinha em geral. O Brasil possui uma representativa biodiversidade de espécies de cetáceos (51,6% das conhecidas em âmbito mundial) merecendo, portanto, destaque na filatelia. Contudo, o número de estampas postais emitidas com ilustrações desses animais ainda é modesto se comparado a de outros países.

Citação: Lodi, L. 2010. Baleias e golfinhos representados em selos postais brasileiros. Site: www.mundodabiologia.com.br. Acesso em: xx.xx.xxxx.

6 Comments to “Baleias e golfinhos representados em selos postais brasileiros”

  1. By Daniela Torres, 24 de janeiro de 2011 @ 00:55

    Muito legal essa coleção de selos. Parabéns pela iniciativa e pela belissima postagem.

    • By Luciano Alardo, 26 de janeiro de 2011 @ 16:26

      Oi Daniela, td bem?

      Que bom q gostou. Caso queira postar algum texto, fique à vontade, basta me mandar o mesmo. Pode ser sobre qualquer temática biológica. Saudações, Raiz

  2. By Thiago dos Santos Alves, 19 de janeiro de 2012 @ 14:54

    Ooi pessoal,

    tenho o selo da ‘A baleia-azul (Fig. 1)’ mas não sei se vale alguma coisa você poderia me dizer??

    Agradeço desde já

    • By Luciano Alardo, 23 de janeiro de 2012 @ 00:31

      Oi Tiago, tudo bem?

      Eu não sei falar sobre o valor do mesmo. Estarei encaminhando sua pergunta para a autora do artigo, a Liliane Lodi.
      Vamos esperar a resposta da mesma.

      Gostaria se possível de uma cópia do mesmo.

      Abs,
      Luciano – Moderador

  3. By Bruno, 8 de abril de 2013 @ 22:49

    oii boa noite quero fazer uma pergunta tenho muintos selos raros e quero encontrar um comprador se caso vc se intereçar deixei meu face entre em contato muinto obrigado…

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

Deixe seu comentário